ESCOLHA
UM LOCAL

ESTAÇÕES

CATEGORIAS

BUSCA

Centro de Convivência de Padre Miguel
R. Francisco Real, 365 - Padre Miguel,Rio de Janeiro
  • Beber
  • Dançar
  • Ouvir músicas
É um lugar que oferece muitas atividades gratuitas para população, como aulas de dança, judô e ginástica e também traz shows de artistas nacionais. Paralamas do Sucesso, Lulu Santos, Anitta, Alcione e Zé Ramalho são alguns dos artistas que já passaram pelo local movimentando todo o bairro. Apresentações de stand up comedy com nomes como Fábio Porchat também fizeram um enorme sucesso. É uma das poucas opções de casas de shows para os moradores de Padre Miguel e adjacências, e no geral com preços mais acessíveis. Bailes com música dos anos 80 e 70 atraem aqueles que tem saudade dos tempos das discotecas. Toda quinta-feira a grande quadra é aberta para patinação. Basta levar seu próprio patins para se divertir.
Casa de Jorge
R. da República, 45 - Quintino Bocaiúva, Rio de Janeiro
  • Beber
  • Ouvir músicas
O mais marcante na Casa de Jorge é a decoração. A primeira impressão é do mais puro caos, mas, a medida que os olhos vão se acostumando, os detalhes vão ganhando vida. As paredes são repletas de imagens religiosas, banners de eventos passados, bandeiras de escolas de samba, posters de time de futebol, propagandas promovendo o próprio botequim, entre inúmeros outros. Qualquer cantinho é lugar para prender um papelzinho. As paredes nesse botequim, de fato, falam. Do lado de fora, um recado curioso avisa logo ao navegantes: "aqui não há espaço para intrigas, fofocas, invejas e desavenças" – e não podemos dizer que eles não avisaram! Todo sábado e domingo rola festa nesse botiquim, seja ela uma roda de samba ou de pagode. A mesa de sinuca no meio do salão atrai um público cativo, que não troca o simpático bar na praça Quintino Bocaiúva por nada.
Wenceslau Beer Club
Rua Silva Rabelo 61 Méier, Rio De Janeiro
  • Beber
  • Comer
  • Ouvir músicas
  • Sentar e conversar
O Wenceslau é um daqueles bares em que conviver com o dono frequentemente faz parte da sua visita. O Marcelo, simpaticissímo, se importa com todos os clientes e, mesmo na correria, para pra perguntar se está tudo bem e pra sugerir alguma das – muitas – cervejas da casa. O lugar é especializado em hambúrgueres artesanais e em cervejas especiais. Os chopps que saem das torneiras variam, então é sempre bom perguntar o que tem de bom no dia. Os hambúrgueres são feitos com diferentes tipos de carne e tem até opção pra quem é vegetariano. Os molhos que acompanham o sanduíche são um destaque a parte, com opções como geléia de pimenta, mostarda e mel, maionese temperada, barbecue e muitos outros. Aos fins de semana, a casa costuma lançar promoções de cerveja e ter música ao vivo.
Nostra Pizza
Av. Bruxelas, 98
  • Comer
  • Passear
  • Sentar e conversar
É uma pizzaria que serve massas e pizzas feitas no forno a lenha. Um novo ponto de encontro no bairro de Bonsucesso, que conta com um ambiente agradável, climatizado, uma ótima pizza e sem duvida um bom lugar para conversar, se divertir ou fazer uma comemoração!
Neném de Ramos
Rua Lígia, 202 - Olaria
  • Beber
  • Comer
  • Sentar e conversar
Próximo ao Cacique de Ramos, o bar Neném de Ramos serve refeições, petiscos e cerveja gelada durante toda a semana. Mas é nas sextas, sábados e domingos que eles servem os carros-chefe da casa, assados por horas a fio em um assador giratório específico para as carnes. A costela de boi e o frango assado são pedidas clássicas do fim de semana, quando o bar enche mais e os pedidos não param de sair. As costelas são vendidas em meia porção e porção inteira, mas são muito bem servidas – a dica é ir em grupos para dividir os quitutes.
Cineclube Buraco do Getúlio
Praça dos Direitos Humanos - Nova Iguaçu
  • Beber
  • Evento
  • Ouvir músicas
  • Sentar e conversar
O Cineclube Buraco do Getúlio acontece desde 2015, na Praça dos Direitos Humanos, em Nova Iguaçu. Um coletivo quase todo formado por moradores da região organiza os eventos bimestralemente, sempre no segundo sábado do mês. É uma ação que se soma e fortalece a cena de produtores independentes de cultura da Região Metropolitana do Rio de Janeiro e se articula através da exibição de curtas-metragens prioritariamente brasileiros, exposições de artes visuais e intervenções de poesia, circo, teatro, performance, música, graffiti e VJing, realizadas por artistas, grupos, coletivos e instituições que vêm construindo há décadas um outro imaginário sobre a cidade de Nova Iguaçu e o território da Baixada Fluminense.
Ponto Chic
Rua Figueiredo Camargo, 409
  • Beber
  • Comer
  • Dançar
  • Ouvir músicas
  • Sentar e conversar
Um dos principais pólos de cultura da Zona Oeste. O Ponto Chic é o coração do bairro de Padre Miguel, onde as principais atividades do bairro acontecem: bailes charme, eventos de cultura negra, samba de roda, pagode, dentre outros. O astral é efervescente e familiar. Pessoas de todas as idades e estilos frequentam os eventos. Importantes projetos culturais como o Projeto Criolice lotam a praça principalmente em datas como as de São Jorge, Abolição da Escravatura e Zumbi dos Palmares. O lugar é tão badalado que não precisa chegar lá pra perceber: todo o entorno deixa isso bem claro nas placas do comércio que anunciam seus produtos “chics”. De “Frango Chic” à “Moda Chic”, o local é definitivamente referência na região.
Bar do Adonis
Rua São Luiz Gonzaga, 2156 - loja A - Benfica
  • Beber
  • Comer
  • Sentar e conversar
O bar do Adonis abriu suas portas em 1952 em uma esquina movimentada do bairro de Benfica, oferecendo à noite carioca mais uma opção em pé sujo. Mais de 60 anos e algumas reformas depois, o que se sabe é que a casa serve o melhor chopp da cidade. Ele vem cremoso e muito gelado, tirado com perfeição da velha torneira de bronze. Para acompanhar, o bar oferece um cardápio caprichado com pratos portugueses típicos e petiscos de boteco tradicionais. O bolinho de bacalhau é imperdível! Se você for sozinho, talvez se assuste com os preços. O que vale a pena mesmo é ir em grupo, dividir uma boa porção de bacalhau ou rabada, tomar uma gelada e apreciar um clássico carioca!
Taberna Dom Rodrigues
R. Silva Rabêlo, 40 - Meier, Rio de Janeiro
  • Beber
  • Comer
  • Sentar e conversar
A taberna Dom Rodrigues é um local bastante peculiar. Tem duas fachadas – uma antiga, e que remete imediatamente à ideia de "taberna" tradicional e uma mais nova, já com letreiro impresso. O cardápio, que contempla as mais variadas refeições e pratos do dia, que vão de peixes e omeletes a feijoadas e sanduíches, têm como destaque curioso uma parte reservada para "rãs". O local serve petiscos com rã e até mesmo "strogonoff de rã". No balcão do lado "tradicional", muitos vinhos – para serem servidos na caneca – são exibidos na estante. Os garçons, que muitas vezes trabalham há muitos anos na casa, frequentemente têm histórias pra contar pra quem senta ali pra tomar o seu vinho ou seu chopp.
Cadeg
R. Cap. Félix, 110
  • Beber
  • Comer
  • Dançar
  • Ouvir músicas
  • Sentar e conversar
A Cadeg é um verdadeiro clássico carioca e atrai aos seus pavilhões centenas de pessoas todos os dias. O enorme mercado municipal abriga as lojas mais variadas, a maioria na área de alimentação. É o lugar perfeito para se comprar postas de bacalhau fresquinhas, comer comida portuguesa e encontrar flores para decorar o apartamento. O passeio no sábado ou no domingo é garantia de festa e restaurantes muito cheios – é bom chegar cedo para garantir o lugar! O local tem estacionamento, então pode vir com a família toda. A programação de festivais é bem interessante e variada também, como o festival de inverno, o festival de bacalhau, a mesa santa, o circuito olímpico. Eles prometem boa comida, música e muita diversão o ano inteiro!
Esquina do Bacalhau
Rua Marechal Soares de Andréia, 3 - Realengo,Rio de Janeiro
  • Beber
  • Comer
  • Sentar e conversar
A Esquina do Bacalhau logo em frente da estação de trem de Realengo. O restaurante é um dos mais tradicionais do bairro, os bolinhos – conhecidos como os melhores da zona oeste – são sempre fritos na hora e podem ser degustados com uma caneca de vinho ou uma cerveja bem geladinha (a preços honestos). Pra quem não bebe, tem caneca de suco de uva integral, uma delícia! O cardápio oferece outras opções de pratos de bacalhau e massa do famoso bolinho também é vendida no local para quem quiser fazer em casa. E para não ficar só no bacalhau, o também tem churrasquinho completo, que é preparado na hora em uma churrasqueira na calçada do restaurante (quem passa do outro lado da rua já sente o cheirinho). O espaço tem um ambiente interno com TVs e mesas na calçada para os clientes. A garçonete Maria das Dores – conhecida como "Dê" – trabalha há mais de 20 anos no local servindo mesas com muita simpatia.
Restaurante Salete
Rua Afonso Pena, 189, Tijuca
  • Beber
  • Comer
  • Sentar e conversar
Com um dono espanhol, qualquer restaurante tem como prato principal a Paella, não, Manolo preferiu as empadas. Em 1957, inaugurou o que se tornaria um dos locais mais tradicionais da tijuca. Hoje comandado por suas filhas, o Salete manteve as empadas como seu carro chefe. Outra boa pedida é o risoto de camarão, o preço é honesto e a porção serve duas pessoas. O chopp gelado acompanha bem as empadinhas, seja em pé nas mesas altas de madeira ou sentado numa das mesas do interior que foi mantido com decoração original. Em dia de eleição é certo, os ex-moradores que evitaram a burocracia de transferir o voto, fazem fila para relembrar as empadas que, até hoje, ganham como umas das melhores do Rio. E ai, de palmito, frango ou camarão?
Bangu Atlético Club
Av. Cônego Vasconcelos, 560 - Bangu,Rio de Janeiro
  • Beber
  • Ouvir músicas
Neste local foi fundado no dia 17 de abril de 1904 o "club", como chamavam os ingleses fundadores do Bangu Atlético Clube, time tradicional do Rio de Janeiro. O local fica bem pertinho do shopping onde funcionou a antiga fábrica de tecidos e que até hoje tem preservada sua arquitetura original no estilo inglês. Neste lugar hoje a sede social do Bangu AC e sua fachada vermelha e branca geralmente fica repleta de cartazes anunciando os próximos eventos. Lá ocorrem shows, festas e bailes, e durante o dia o clube oferece cursos diversos como futebol de salão, judô, dança e artesanato. O clube fica bem próximo ao Largo de Bangu, região com vários bares e restaurantes. Pra quem não sabe, o Pavilhão é só um pouquinho distante do estádio Moça Bonita, estádio de futebol do Bangu AC, que fica do outro lado da linha do trem.
Batata de Marechal
Rua João Vicente, 1554 - Marechal Hermes
  • Comer
Mais que um fastfood, uma lenda. Imagine uma batata frita com cheddar, frango, bacon, calabresa, catupiry... A batata mais famosa de Marechal Hermes leva tudo isso e mais um pouco. O difícil é comer até o final. As porções variam de preço e tamanho e são muito baratas para a quantidade que servem – a maior vem com mais de 3 quilos de batata. A batata é tão amada que pessoas de todos os bairros vão até Marechal só por ela, que é vendida bem na calçada da estação de trem. Se engana quem pensa que são apenas batatas convencionais congeladas: batatas inteiras são cortadas em uma máquina no fundo da loja. Geralmente tem que ficar na fila pra comprar, mas muita gente concorda que a espera vale à pena. Lá a dieta não tem vez.
Bar do Sardinha
R. Ten. Cerqueira Leite, 15, Lojas H e I - Meier, Rio de Janeiro
  • Beber
  • Comer
  • Sentar e conversar
Cerveja instantânea – essa é a impressão que se tem ao tirá-la camisinha. Poucos segundos depois, o garçom, atento, já está a postos com uma nova gelada pra repôr. A agilidade na troca de cervejas é um dos pontos altos do Sardinha, bar de esquina localizado no Baixo Méier. Como o nome diz, uma das especialidades da casa é a sardinha frita – bem servida e fresquinha. Mas o bar também serve petiscos tradicionais, como filé aperitivo e batata frita, além de alguns destaques não tão tradicionais, como a linguiça recheada com provolone e molho de mostarda – tudo a preços bem honestos. O movimento começa a aumentar no fim do dia. E, assim que a banca de jornal ao lado fecha, o bar já começa a aumentar seu espaço das mesas para usar a sombra da banca e usa até mesmo o banco de cimento com tabuleiro de xadrez da praça – tudo pra comportar a clientela que não para de chegar.
Feira das Yabás
Praça Paulo da Portela - Turiaçu, Rio de Janeiro
  • Beber
  • Comer
  • Dançar
  • Evento
  • Ouvir músicas
  • Sentar e conversar
Uma das grandes atrações do subúrbio é a Feira das Yabás. Famosa em toda a cidade, é um evento de "Música e Gastronomia Negra Carioca", como denominam seus organizadores. A festa acontece na Praça Paulo de Portela e é marcada por dois pontos altos: música e comida. No centro, um palco comandado por Marquinhos de Oswaldo Cruz sempre leva convidados para o samba que rola do início da tarde até altas horas. Ao redor do palco, 16 barraquinhas são comandadas por 16 yabás diferentes – termo usado para as orixás femininas – com comidas típicas do subúrbio carioca. Cada barraca tem um prato que é o carro chefe, como a Rabada, a Tripa Lombeira, o Bobó de Camarão, o Mocotó ou até mesmo o Jiló Frito. Além dos pratos principais, cada barraca vende cerveja e diversos petiscos, como pastéis e salgadinhos. Uma das barracas é também especializada em doces dos mais variados. Para almoçar no local, é bom chegar cedo – A partir das 15h as comidas já vão começando a acabar e as porções ficam menores, pra quem só quer matar a vontade. A partir das 18h, as yabás começam a fechar suas barracas – o que não indica o fim da festa. Liberadas do trabalho, elas vira e mexe sobem ao palco para mostrar que têm samba no pé durante os shows. A feira é uma festa de rua que vale a pena conhecer. Com cultura, gastronomia, música e muita festa, o evento consegue manter vivo e celebrar a tradição local. Valorizam a história do lugar – berço da Portela –, as cozinheiras mais velhas (algumas com quase 90 anos!), as comidas mais típicas e os sambas mais antigos. Imperdível.
Café Medina
Rua Medina, 127, Loja C
  • Comer
  • Sentar e conversar
O Café Medina é um lugarzinho pitoresco onde se pode fazer um honesto lanche da tarde: um café expresso gostoso com muitas tortas e bolos para acompanhar. Em uma região onde cafés são raros, o lugar se torna um pequeno oásis para desncançar de uma caminhada, renovar as energias ou encontrar um velho amigo para um bate-papo casual. As opções de café da manhã são básicas, mas oferecidas à um bom preço. Além do que é feito na casa, o Medina também vende compotas de doces cremosos como cocada e doce de leite. O menu executivo de almoço também é uma boa pedida e o cardápio varia todo dia.
Quinta da Boa Vista
Av. Pedro II - São Cristóvão, Rio de Janeiro
  • Passear
A Quinta que já foi a casa da família imperial do Brasil, hoje se tornou um parque municipal. São mais de 150 mil metros quadrados de área verde. Um ótimo lugar para passear e aproveitar o ar livre. As muitas árvores e gramados, garantem espaço de sobra para quem está procurando um local tranquilo para fazer um piquenique com a família ou praticar esportes. Como opções de lazer, pula-pulas, escorregas infláveis e, ainda, é possível alugar pedalinhos e quadricíclos. O antigo palácio imperial virou o Museu Nacional de História Natural e o zoológico da cidade fica dentro do parque. São comuns também eventos gratuitos, como shows. Um lugar democrático que abriga públicos de todas as idades e gostos, desde jovens roqueiros a familías com crianças e skatistas aperfeiçoando suas manobras. A quinta da boa vista tem atrações suficientes para encher a agenda de qualquer um.
Sobral da Serra
R. Carolina Machado, 1038 - Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro
  • Beber
  • Comer
  • Sentar e conversar
De cara pro trem, o Sobral da Serra a princípio parece mais um tradicional bar do subúrbio. Mas o ponto foi há poucos anos comprado por um novo dono, conhecido como "Sobral". Ele trabalhou por muitos anos no mercado de importação de bacalhau até que resolveu largar tudo e ir trabalhar no varejo. Ao cardápio dos clássicos "PFs", ele adicionou opções de pratos próprios com bacalhau. Próprios literalmente – ele alega ser o único na cidade a vender uma posta de bacalhau cru, que explica que fica três dias marinando antes de ser servida. Ele avisa que a iguaria não é pro gosto de todo mundo, mas quem gosta sempre volta pra repetir. Além da posta, a tradicional punheta e o bacalhau à moda da casa são outras das opções a preços justos de quem sabe onde comprar do bom e do melhor. As mesas são servidas pelo próprio Sobral, que conversa com os clientes, explica os pratos, dá sugestões e, se o pedido for de bacalhau, vai à cozinha ajudar a preparar o prato. Sua mulher, Ana, trabalha no caixa e na organização do bar, e a simpatia dos dois garante a clientela – que vira e mexe inclui músicos da Portela, que fica logo ali. Além das tradicionais cervejas geladas, a casa também oferece algumas cervejas especiais, além de releituras de pratos típicos, como uma versão de rabada desfiada com temperos sofisticados.
Original do Brás
Rua Guaporé - nº680 - Bras de Pina, 21215-100 Rio de Janeiro
  • Beber
  • Comer
  • Ouvir músicas
  • Sentar e conversar
O Original do Brás é, sem dúvida, o lugar para ir se você está com vontade de petiscar em grande estilo. Figurinha sempre presente nas listas dos melhores bares do concurso Comida di Buteco, venceu o prêmio de melhor petisco da cidade em 2008 e 2013. Rolé ouriçado com molho de Bohemia Escura em mini baías de guanabara e quarteto ao brás (iguaria que junta linguiça de sol, batata calabresa e cebola) foram os pratos vencedores. Mas não se engane se achar que acaba por aí. Domingo é dia de feijoada, com cerveja geladíssima e show ao vivo. A partir de 13h, as mesas e cadeiras se espalham pela calçada e o banquete começa. Quinta a noite também é dia de show, com Helio Silva nos teclados. Todos que frequentam o Original sabem que é de lei esbarrar em algum dos donos, o Zé ou o Carlinhos. Os dois sempre recebem com muita simpatia todos que aparecem na porta buscando um bom boteco de esquina, seja ele cliente recém chegado ou amigo de longa data. A casa lá é pequena, mas como coração de mãe, sempre cabe mais um.
Parque Madureira
Rua Parque Madureira, s/n - Madureira,Rio de Janeiro
  • Passear
Inaugurado em 2012, o Parque Madureira atrai pessoas de toda a cidade em busca de lazer e cultura. Logo na entrada já podemos encontrar bicicletas do Bike Rio para quem não quiser levar a sua. Vale lembrar que asfalto é um "tapete" qualquer lazer sobre rodas, mas é a galera de skate e patins que se diverte nas excelentes pistas do Tatu Skate Park (só não pode esquecer o capacete pra entrar). Andando um pouco já dá pra perceber que no Parque tem de tudo: quadras de esporte, pistas de skate, "praia artificial", bares, bailes, shows, cursos… Dá pra passar o dia inteiro aproveitando tudo o que os 90 mil metros quadrados oferece. A infra estrutura do parque impressiona não só pela qualidade, mas pela beleza e limpeza, além disso o parque possui vários seguranças rondando o local. Eventos dos mais variados estilos também acontecem com frequência no grande palco do local. Há muitas atividades culturais para a população como rodas de capoeira, exposições etc. Um grupo de percussão só de mulheres se reúne para ensaiar no Parque, levando um som animado para alegrar o passeio. Toda quinta-feira a partir das 18h rola baile charme na entrada, próximo aos bares, com Djs tradicionais na cena do charme carioca. A galera vai estilosa dançar os passinhos e beber uma cerveja com os amigos.
Samba de Benfica
Rua Professora Estér de Melo, 260 - Benfica
  • Beber
  • Comer
  • Dançar
  • Evento
  • Ouvir músicas
  • Sentar e conversar
O samba de Benfica é uma roda multicultural capitaneada pelo grupo homônimo. Lá, o samba é o grande mestre de cerimônia de outros ritmos mais tradicionais, como o jongo, por exemplo. Todas as edições do evento são temáticas e os convidados incluem um grupo de cultura popular e um sambista para fazer uma “Jam Session”. Não é raro, entretanto, que outras iniciativas culturais como lançamentos de livros e cds de artistas independentes, feiras de trocas, exposição de fotografias, campanha de arrecadação de livros e brinquedos e campanhas de cunho mais social tenham espaço no samba. O evento já acontece há mais de quatro anos, sempre no segundo domingo do mês a partir das 15h.
Largo de Bangu
Praça da Fé - Bangu, Rio de Janeiro
  • Beber
  • Comer
  • Ouvir músicas
  • Sentar e conversar
O "largo" é a região dos arredores da Igreja de São Sebastião e Santa Cecília em Bangu. Bares, restaurantes e barracas atraem muitas pessoas que querem curtir uma cerveja e petiscos com os amigos a um preço camarada. Durante toda a noite as calçadas e ruas ficam repletas de mesas e cadeiras e a praça tem trailers de drinks, hambúrguer e o famoso hot-dog "prensado". É um ponto de encontro famoso de jovens e adultos do bairro, seja pra fazer uma "pré" antes da balada ou ficar a noite toda, e de fácil acesso de trem (ao sair da estação é só seguir pelo calçadão). No geral, não é caro beber nos bares da região, mas há quem apenas sente nos bancos da praça para comprar bebidas das barracas sem pagar serviço. Alguns bares tem shows ao vivo e cobram couvert artístico. Se você for ao largo pode notar algumas "figuras" excêntricas do bairro, que já renderam algumas lendas urbanas.
Trem do Choro
Centro, Rio de Janeiro
  • Beber
  • Comer
  • Dançar
  • Evento
  • Ouvir músicas
O Trem do Choro é organizado pelo movimento 100% Suburbano e teve sua primeira edição em abril de 2013 e todo ano se repete no terceiro domingo de abril, celebra o aniversário de Alfredo da Rocha Vianna Filho. Nos primeiros anos, contou com nomes como Hamilton de Holanda, Joel Nascimento, Silvério Pontes e Zé da Velha para a celebração da data. O trem sai da Central do Brasil com ao menos três vagões lotados com “chorões e choronas” e segue até Pedro Ernesto/Olaria, de onde seguem o cortejo até a Praça Ramos Figueira.
Bar da Portuguesa
R. Custódio Nunes, 155 - Ramos, Rio de Janeiro
  • Beber
  • Comer
  • Sentar e conversar
Como o nome já diz, o Bar da Portuguesa é especializado em quitutes típicos de Portugal. Os pratos com bacalhau, como o bolinho ou a punheta (bacalhau cru desfiado) são destaques da casa. O bar também vende pastéis de camarão e torresmo aos domingos – todos muito requisitados. Aberto no início dos anos 70, as paredes do lugar ilustram um pouco da importância histórica do estabelecimento. As fotos, que mostram Pixinguinha, remetem ao fato de que o local foi onde o compositor encontrou o músico Baden Pawell. Com a imagem de Jesus Cristo ao lado da estátua de São Jorge na parede, o sincretismo religioso ajuda a reforçar a tradição do local. Sempre cheio, o lugar é referência na região de Olaria. Frequentado por pessoas de toda a cidade, é figurinha repetida nos concursos de comida e já ganhou prêmios no concurso "Comida di Buteco". O público é animado, e frequentemente uma mesa vai engatar em uma cantoria ou conversa alta.
Bar da Amendoeira
Rua Conde de Azambuja, 881 - Maria da Graca, Rio de Janeiro
  • Beber
  • Comer
  • Ouvir músicas
  • Sentar e conversar
A tradição da casa se revela em cada detalhe: a máquina registradora antiga no balcão, a estufa à moda antiga, os cobogós dividindo o salão em dois. O cardápio oferece mini porções de petiscos, muitos à base de legumes – como o bolinho de vagem ou a couve-flor à milanesa –, por preços baixos e muito tentadores. Alguns têm saída maior, são feitos várias vezes ao dia e te aguardam ansiosamente na estufa do balcão. É o caso do delicioso bolinho de carne, que é carinhosamente apelidado de "bolinho feio. Quando o assunto são refeições, a casa une tradição e qualidade – pratos clássicos como cozido, feijoada e rabada com angu vêm em porções muito bem servidas, com preços justos e atraentes. Uma boa pedida é visitar a casa às quintas feiras à noite, quando uma roda de samba anima as pacatas redondezas e enchem bar e calçada de gente cantando e dançando.
Cinco Bocas
Praça Dr. Waldir da Mota - Olaria, Rio de Janeiro
  • Beber
  • Comer
  • Sentar e conversar
Cinco ruas do bairro de Olaria se encontram em um mesmo cruzamento, sem rotatória, sem divisão. A esse inusitado erro de trânsito somam-se mesas, cadeiras e barracas de comida que disputam espaço com os ônibus, carros e motos. O cinco bocas é uma área boêmia muito movimentada, há quem chame de "polo gastronômico" de Olaria. o som dos automóveis se soma à musica e bate papo da galera. Todos os dias no final da tarde os bares, restaurantes e barracas abrem as portas para quem busca comida e bebida a um bom preço. É uma experiência e tanto estar no meio da rua com ônibus virando a todo momento, haja coragem. O cardápio do local é variado: tortas, angu à baiana, yakisoba, churrasquinho, "podrão", pastel… Ah, e se for beber com muita gente dá pra pedir um balde com cervejas.
Botto Bar
R. Barão de Iguatemi, 205 - Praca da Bandeira
  • Beber
  • Comer
  • Sentar e conversar
Famoso pelas cervejas artesanais, o bar oferece 20 torneiras de chopp nacionais e importados. Leonardo Botto, um dos sócios, é mestre cervejeiro e dá cursos de fabricação de cerveja que são divulgados no local. Ele é frequentemente visto no bar, sentado em uma das mesas – é fácil de reconhecer, já que uma caricatura sua está nos cardápios e cartazes da casa. Tricolor fanático, em dias de jogo do fluminense os torcedores encontram lá um lugar acolhedor para assistir ao jogo. A decoração deixa claro que você está em bar bastante autêntico – e com muito bom gosto. Os petiscos são, em sua maioria, inspirados na culinária alemã. Quem provou, aprovou e pediu mais – valem muito a pena. Além da variedade de chopp, fresco e bem tirado, um dos atrativos da casa é o preço – bastante justo para as cervejas que serve.
Bode Cheiroso
R. Gen. Canabarro, 218 - Maracanã, Rio de Janeiro
  • Beber
  • Comer
  • Sentar e conversar
Pertinho do Maracanã, o Bode Cheiroso foi fundado quase junto do estádio. O bar manteve uma aparecência tradicional junto de um cardápio típico de boteco, onde cada dia da semana serve no almoço um prato diferente. Mas dobradinha, carne seca com abóbora, sardinha frita e outros pratos tradicionais não são as únicas especialidades da casa. Todos os dias, eles preparam um pernil de mais ou menos 10 kilos que é servido em sanduíches, porções e em saborosos croquetes com provolone e molho de abacaxi. De quebra eles ainda tem no cardápio, o Crocamabode, 4º lugar no Comida de Buteco de 2015. Uma porção de camarão empanado na castanha de caju acompanhada de molhos cítrico e de maracujá. Para beber, cervejas comuns e especiais dividem espaço com cachaça e cerveja própria do bar. E a simpatia dos garçons acompanha os pratos deliciosos desse boteco autêntico.
Bar do Chico
R. Afonso Pena, 128 - Tijuca, Rio de Janeiro
  • Beber
  • Comer
  • Sentar e conversar
O antigo bar da Afonso Pena, foi rebatizado e é, hoje, conhecido pelos moradores dos arredores como Bar do Chico. O cearense, que dá o nome ao lugar, trouxe do nordeste o carro chefe da casa: a carne de sol com aipim, frito ou cozido. Antônio, o Tuninho, e Valdecir, o Val, abrem a às 7h, na companhia do dono e permanecem até as 17h, quando Nilson, Antônio e Tadeu assumem a freguesia. O cardápio está recheado de petiscos e pratos tradicionais de botecos, sextas e sábados eles servem uma feijoada caprichada. Na esquina da Afonso Pena com a Pardal Malet, a clientela fiel se reúne nas mesas de plástico na calçada ou de pé ao redor do balcão mesmo. Todos se conhecem, conversam, bebem e brindam juntos, sem a menor curiosidade de saber o nome dos novos amigos. Coisas de botecos cariocas.
Roda de Choro na Ramos Figueira
Pça Ramos Figueira, Olaria - Rio de Janeiro
  • Beber
  • Comer
  • Dançar
  • Evento
  • Ouvir músicas
  • Sentar e conversar
O grupo 100% Suburbano surgiu em Olaria com pequenas pretensões. Escolheram o choro como gênero musical por conta da tradição do local onde escolheram fazer seus eventos. Desde setembro de 2012, eles organizam uma roda de choro na Praça Ramos Figueira, em Olaria, local próximo da residência onde morou Pixinguinha. O evento reúne locais e visitantes, e entretém o público com pessoas de todas as idades. No local, eles vendem comida e cerveja como uma das formas de arrecadar dinheiro para a organização do evento. Na roda, já passaram pessoas como Mestre Siqueira, Zé da Velha, Silvério Pontes, Joel Nascimento, Heitor dos Prazeres Filho e Família, Pixin Bodega, Sombrinha, Eliana de Faria e Choro Novo, entre outros.
Rock on the Roof
R. Dias da Cruz, 170 - Meier, Rio de Janeiro
  • Dançar
  • Evento
  • Ouvir músicas
  • Sentar e conversar
O Rock on the Roof é, literalmente, rock no telhado – nesse caso, o terraço do Imperator, tradicional casa de shows e eventos no Méier. O evento convida djs, jornalistas e críticos musicais para analisarem as "bolachas" – albuns de rock que são analisados na íntegra. A ideia é que o público ouça o álbum todo, dentro de uma seleção de discos considerados relevantes na história do rock nacional e internacional. A dinâmica é a seguinte: um convidado fala sobre o álbum da vez, contando curiosidades, falando sobre a sua produção, avaliando o cenário musical em que a obra foi criada. Depois disso, todos se juntam pra curtir o som, faixa a faixa, no espaço reservado pro evento. Alguns exemplos de bandas já contempladas para o evento são: AC/DC, Joy Division, The Who, Paralamas do Sucesso, Massive Attack e Ministry. E o melhor: a entrada é gratuita!
Tia Solange
Rua Baturité, 14 - loja A Bonsucesso - Rio de Janeiro
  • Comer
  • Sentar e conversar
Entrando por uma portinha com porta de vidro, o Tia Solange é uma confeitaria charmosa para tomar um cafezinho e saborear doces. A casa oferece algumas opções de salgados, além de bolos e tortas com massa caseira feita no local. Boa parte do movimento é para doces e salgados sob encomenda. E haja encomenda – o local, apesar de pequeno, fabrica uma enorme variedade de tortas, doces finos, pavês, mousses, quiches etc. Pra quem estiver andando pelas ruas de Bonsucesso, o café é um espacinho aconchegante para fazer uma pausa no barulho, na agitação e no calor – o ar condicionado não deixa a desejar.
Mercadão de Madureira
652-Avenida Min. Edgard Romero-670, 239
  • Beber
  • Comer
  • Passear
No mercadão se encontra tudo que se procura. Ele se enfeita com o tema de cada época do ano, e a medida que os meses vão passando, o público cativo se torna cada vez mais fiel. É difícil esquecer a primeira vez no Mercadão, tudo começando com o caminho entre a estação e ele, geralmente mais cheio e mais quente que a média da cidade. Chegando lá, seus enormes corredores logo convidam para um passeio infinito. De pele de porco à cílios postiços, passando por artigos religiosos, se encontra por lá. E muita gente, sempre, independente da hora ou do dia. É possível também comer em um dos restaurantes, que servem pratos feitos a preços populares. Em suas redondezas, encontram-se algumas lojas que vendem doces no varejo e no atacado, o que pode garantir a sobremesa ou o lanche no ano inteiro. Logo ali na esquina, fica também a sede do Madureira Esporte Clube, o tradicional tricolor suburbano – time hoje na série C do campeonato brasileiro.
Baile Charme do Viaduto de Madureira
R. Carvalho de Souza, 214 - Madureira, Rio de Janeiro
  • Beber
  • Dançar
  • Ouvir músicas
O Baile Charme do Madureira é o maior e mais famoso evento de charme do Brasil. É no Viaduto Negrão de Lima, bem pertinho da estação de trem, que ele acontece desde 1993. A festa reúne amantes da black music de todas as idades que dançam o ritmo melódico e sensual. Os Djs Michel, Fernandinho, Guto, Emekay e Xokolaty agitam a festa semanalmente e trazem Djs convidades. Todo sábado a partir das 22h os portões se abrem para que potentes caixas de som e jogos de luzes dêem vida às enormes colunas de concreto do viaduto. Além da festa, no viaduto acontecem diversos shows e batalhas de dança. Fora dos horários de baile há também aulas gratuitas de charme para quem quiser aprender os passinhos antes de se aventurar na pista. O baile é também um importante evento de valorização da cultura negra onde belos cabelos crespos, tranças e black powers desfilam em grande estilo. Todo mundo pode chegar, só não há espaço para o preconceito. Tem que pagar pra entrar, mas os preços são bem amigáveis. O local tem um bar próprio e barraquinhas de drinks e petiscos. Os preços em dias de show sofrem alteração, então é bom dar uma conferida.
Bar da Frente
Praça da Bandeira - Rua Barão de Iguatemi, 388
  • Beber
  • Comer
  • Sentar e conversar
Se o que você procura é comida saborosa e cervejas especiais, aqui é o seu lugar! O Bar da Frente está localizado no coração da Praça da Bandeira, em uma região cheia de bares e restaurantes legais para visitar e revisitar. No meio de tanta opção, esse pequenino pé-limpo se destaca pela decoração caprichada e pelo extenso cardápio de cervejas artesanais brasileiras e importadas. Eles se orgulham da sua variedade e estampam em suas paredes o profundo conhecimento cervejeiro. Figurinha já bem conhecida por quem ama comida de boteco e acompanha todos os concursos, a casa não deixa a desejar nos petiscos. Eles são caprichadamente montados para serem acompanhados por uma gelada de altíssima qualidade. Aproveite para dar uma volta e conhecer outras incríveis pedidas nas redondezas.
Bar Rex
R. do Matoso, 7 - Praça da Bandeira
  • Beber
  • Comer
Na contramão dos bares e restaurantes que vem surgindo nos arredores da praça da bandeira, Bar Rex é um legítimo pé-sujo. Ele é famoso pelo frango assado, preparado no carvão. A um preço que está cada vez mais dificil de encontrar pelo Rio, o prato é bem-servido, dá para 3 pessoas, talvez mais se a fome não for tanta. Se sentar por lá na hora do almoço, o prato do dia que fica exposto na vitrine vai sumindo a cada cerveja gelada pedida. No Rex, outra iguaria é o Coquinho, a cachaça é servida em pequenos cocos tapados por rolhas. O espaço não é muito grande, mas na hora do almoço não para de sair pedido. Muita gente passa por lá e leva para casa o frango ensopado, a costela com batatas, o peito de boi, a rabada com agrião ou o famoso "frango assado"
Forneria Santa Filomena
R. Santa Filomena, 10 - Praca da Bandeira, Rio de Janeiro
  • Beber
  • Comer
  • Sentar e conversar
O Filomena é um lugar que pode ser definido como "aconchegante". A decoração, o cardápio e até mesmo os utensílios utilizados para servir comida transmitem uma sensação de acolhimento imediata. O restaurante serve comida caseira e com muita qualidade. O local investe no charme da comida e do servir, e não cobra a mais por isso – os pratos, muito bem servidos, têm preços bastante razoáveis. Geralmente o prato do dia é feito para servir três pessoas (ou seriam quatro?) com direito a uma troca de arroz, por exemplo, se for o caso. O couvert, servido em pequenas canequinhas de ágata, têm delícias próprias como linguiça com relish de cebola, molho de azeitonas, pesto e torradinhas da casa – é um dos pontos fortes do local. As canequinhas de ágata são, na verdade, uma marca registrada – o cafézinho, coado na hora em cima delas, e o brigadeiro de colher, são algumas das outras especialidades servida nesse utensílio. O local é especialmente bom pra quem quer comer bem em um ambiente calmo, silencioso e charmoso, que serve de grandes refeições a sanduíches e doces.
Cantinho das Concertinas
R. Capitão Felix, 110 - rua 16, loja 11 - Cadeg, Benfica, Rio de Janeiro
  • Beber
  • Comer
  • Dançar
  • Ouvir músicas
  • Sentar e conversar
Se você está procurando um lugar autêntico, o Cantinho da Concertina certamente se encaixa nessa categoria. O restaurante que fica dentro da CADEG serve pratos e petiscos tradicionais da cozinha portuguesa. Carlinhos, que comanda a casa, veio de Trás-Os-Montes nos anos 60 e começou fazendo almoço para os amigos que trabalhavam no mercado. O negócio cresceu e hoje, além do serviço diário de restaurante, todo sábado o Cantinho abriga uma grande festa portuguesa com música típica ao vivo. A festa acontece nos fundos do restaurante, num espaço coberto por lonas coloridas, entre mesas de plástico, toalhas quadriculadas, bandeiras do Brasil e de Portugal, garçons a todo vapor e uma série de banners que cobrem as paredes com fotos de Carlinhos e os famosos que já passaram por ali. Os pratos de bacalhau, febras de porco, sardinhas com batatas cozidas e os bolinhos de bacalhau são algumas das opções disponíveis no cardápio. O público é em grande parte formado de portugueses e descendentes que encontram em benfica um pedacinho da terrinha. Mas ninguém fica de fora. Qualquer arruma facilmente um par para dançar as canções folclóricas portuguesas.
Trem do Samba
Centro, Rio de Janeiro
  • Beber
  • Comer
  • Dançar
  • Evento
  • Ouvir músicas
Tradicional festa realizada sempre no primeiro sábado de Dezembro, o trem do samba já acontece no Rio há mais de 20 anos. O evento já soma mais de 12h de festa que acontece nos vagões do trem e em Oswaldo Cruz, com público que pode ultrapassar 500 mil pessoas. O samba já começa na Central, com palcos montados para o evento. O principal atrativo é o samba que acontece, literalmente, no trem. Vagões que indicam quem toca dentro de cada lugar guiam o público para escolher quem os irá entreter até a estação de Oswaldo Cruz, onde outros palcos e muita música rolam até tarde da noite.
Leão Etíope do Méier
Praça Agripino Grieco - Rua Dias da Cruz - Méier, Rio de Janeiro - RJ
  • Beber
  • Dançar
  • Evento
  • Ouvir músicas
  • Sentar e conversar
Apesar de não se entitularem como um coletivo, quem organiza os eventos na praça Agripino Grieco é um grupo de pessoas, em sua maioria, moradores do bairro, que espontaneamente foi se unindo a partir das iniciativas de Pedro Rajão. Eles ocupam a praça principalmente com shows de bandas autorais, mas isso não é uma limitação: de eventos políticos a debates e teatro de rua, o mote aqui é ocupar a praça e envolver os moradores. O grupo movimenta o local em dias eventos e shows, que acontecem nos fins de semana. Em uma banca deles, vendem cerveja, água e refrigerante a preços justos pra ajudar a bancar a estrutura. O projeto traz muita gente de fora mas os organizadores asseguram que a participação dos moradores locais é intenso, que reúne de crianças a idosos.
Bom na Brasa
Praça das Nações, 46 - Bonsucesso
  • Beber
  • Comer
  • Sentar e conversar
Comer muito e comer bem parecem ser as propostas do Bom na Brasa. Com um salão grande e climatizado, o local serve refeições desde o horário do almoço, quando fica cheio de trabalhadores, até o jantar, quando o movimento é familiar. O cardápio é variado: tem churrasco, peixe, galeto, mas o destaque da casa é o "Frango atropelado". Os pratos servem muito bem suas com suas guarnições generosas, o que torna os preços bastante honestos para aqueles dispostos a dividir. De frente para o trem, o restaurante é uma boa pedida pra quem está chegando faminto para uma volta em Bonsucesso. Nos finais de semana o restaurante funciona normalmente e apenas nesses dias mesas e cadeiras são colocadas do lado de fora para os clientes. O Bom na Brasa possui dois estabelecimentos em Bonsucesso, um na Praça das Nações bem em frente à estação de trem e outro na Avenida Nova York.